Notícias > Artigos de opinión

A incorporação dos assistentes virtuais (bots) a nossas vidas cotidianas

05 Julho, 2016

Por Delia Castaño, Ux Designer

No último mês de maio, durante o evento Google I/0, foi anunciado o lançamento neste verão de um novo aplicativo de mensagens instantâneas, o Google Allo, que surge como uma forte alternativa ao Whatsapp, incorporando uma série de serviços que não passarão despercebidos de ninguém.

Este aplicativo leva incorporado o Google Assistant, um sistema de inteligência artificial que nos servirá como assistente virtual (também conhecidos como bots) recopilando informações contextuais dos diferentes dispositivos e aplicativos para assim nos propiciar uma experiência pessoal e única. Poderemos comprar entradas para o cinema ou procurar os restaurantes mais próximos sem sair da conversa que estivermos tendo nesse momento. Caso um amigo tenha ido ao cinema, responder à frase de “Ontem fui ao cinema” com uma série de opções do tipo: “Que tal o filme?” ou “Gostou do filme?” sem ter que digitar nem uma só palavra.

Para ser mais divertido, o aplicativo conta também com recursos próprios de gamificação, como poder escrever em cima das fotografias ou aumentar ou diminuir o tamanho da letra de uma conversa como forma de expressar sentimentos e sensações.

A utilização de assistentes virtuais não é algo novo e ultimamente está se tornando cada vez mais importante e muitos aplicativos e produtos estão optando por esta tendência.

Os diferentes smartphones incorporam assistentes virtuais que facilitam a interação pessoa‑dispositivo como é o caso do Google Now, Siri e Cortana. Sua evolução nos últimos anos foi impressionante, oferecendo cada vez mais ajudas e tarefas que podem ser feitas por nós, sem que tenhamos que teclar ou realizar nenhuma ação.

Com o desenvolvimento da domótica e a internet das coisas (IoT) todos os nossos dispositivos digitais estão interconectados e compartilham informações podendo de um único ponto gerenciar cada um deles. Para uso residencial encontramos os assistentes virtuais da Amazon Echo (Alexa) ou Google Home (Google Assistant) que são caixas de som com conectividade sem fio que escutam cada palavra da casa e através do seu sistema de aprendizagem e inteligência artificial são capazes de nos dar sugestões e respostas mais adequadas às nossas preferências. Inclusive obedecem a pedidos como reproduzir músicas do Spotifiy, pedir algum artigo da Amazon, etc.

Nasredes sociais, o Facebook incorporou no seu Messenger um assistente virtual chamado Facebook M, ao qual podemos fazer qualquer pergunta ou dar uma ordem de forma natural e cômoda.

Mas estes não são os únicos exemplos de incorporação de assistentes virtuais, seu uso está crescendo cada vez mais, como no caso do Telegram ou Slack, incorporando‑se à nossa vida cotidiana de uma maneira mais “humana”.

Mas apesar das grandes vantagens que este tipo de tecnologia possa nos oferecer, temos muito medo de perder nossa privacidade já que para que estes assistentes virtuais sejam mais precisos é necessário que leiam e escutem nossas conversas. Compartilhamos nas redes sociais, e em toda a rede em geral, demasiados dados pessoais que as empresas não hesitam em utilizar como meio de publicidade. Deveriam ser estabelecidos mecanismos que garantam a intimidade e a segurança das pessoas e o controle das licenças que queremos dar aos diferentes dispositivos e aplicativos se não quisermos que esta surpreendente tecnologia seja rejeitada.

Pensando no futuro, podemos imaginar que a comunicação com os diferentes dispositivos será muito parecida à que poderíamos ter com uma pessoa real, sem necessidade de interagir com tantos dispositivos nem levá‑los conosco.

Por último, ainda em relação a este assunto, gostaria de recomendar o primeiro capítulo da segunda temporada da série de “Black Mirror” que mostra o quanto nós, humanos, podemos ser previsíveis, com os últimos progressos da neurociência e da tecnologia. É relativamente fácil emular nossas emoções e respostas com os dados que dispomos. Um assunto super interessante que deixa a gente de cabelo em pé.

Share